sábado, 3 de julho de 2010

Desaparecimento da ex-namorada: Bruno diz à Veja que conheceu Eliza em "orgia"

Em reportagem de capa da revista Veja, que chegou às bancas neste fim de semana, o goleiro Bruno, do Flamengo, diz que conheceu Eliza Samudio numa festa que chamou de "orgia", na casa de um amigo identificado pela revista como o também goleiro do Flamengo Paulo Victor.

Na entrevista concedida na última quinta-feira, Bruno, que ainda não prestou depoimento à polícia, revelou que o preservativo que usou com Eliza estourou. Ainda segundo ele, depois que soube da gravidez dela, foi saber que todo o time do São Paulo a conhecia e que ela já tinha feito filme "pornô" e que, preocupado, chegou a fazer exame de HIV.

Acusado por Eliza de ter tentado induzi-la a fazer aborto, o goleiro disse à Veja que se ele for o pai da criança brigará pela guarda.

Segundo a assessoria do Flamengo, Bruno que está afastado do time por ser suspeito nas investigações policiais sobre o desaparecimento de Eliza, com quem teria um filho de 4 meses, embora não tenha participado do treinamento neste sábado pode retornar segunda-feira.

A frase " Bruno assassino. Cadê Eliza?", pichada no muro da sede do Flamengo, na Gávea, sexta-feira, foi apagada. A policia civil vai instaurar sindicância para apurar a  demora de 8 meses e 17 dias para análise da urina de Eliza, que havia acusado o goleiro de forçá-la a tomar remédio abortivo quando estava grávida de cinco meses. Eliza está desaparecida há 24 dias ( veja neste blog). (C/ Globo on line)

O Blog: Pelo encaminhamento dado a esse caso, a culpada mais uma vez será a vítima.

Serra: nada a declarar sobre pesquisa Ibope

Indagado sobre sua avaliação a respeito da pesquisa Ibope divulgada neste sábado, em que aparece empatado com Dilma Rousseff , com 39% por cento das intenções de votos ( veja neste blog), o tucano José Serra, candidato à Presidência da República, limitou-se a responder; "Eu não comento resultados de pesquisas". A entrevista foi dada em Maceió, capital de Alagoas, onde Serra chegou na noite deste sábado, após sobrevoar cidades do estado atingidas pela enchentes que deixaram milhares de desabrigados.

Ibope aponta recuperação de Serra e novo empate com Dilma

O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, mostrou recuperação em relação às últimas pesquisas de intenção de voto para as eleições deste ano e aparece novamente empatado com a adversária petista, Dilma Rousseff. Levantamento do Ibope encomendado pela Associação Comercial de São Paulo e divulgado neste sábado (03) mostra Serra e Dilma com 39% das intenções de voto. Marina Silva (PV) aparece com 10%.

Votos em branco ou nulos correspondem a 6%. Outros 7% disseram não saber em quem votar. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou menos. Na última pesquisa Ibope, esta encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), de 23 de junho, Dilma aparecia pela primeira vez na liderança das intenções de voto, com 40%, seguida pelo tucano, com 35%. Marina tinha 9%.

Conforme o levantamento divulgado neste sábado, no segundo turno, Serra e Dilma aparecem também empatados _ambos com 43%. Dos entrevistados, 8% afirmaram que votarão nulo ou em branco, ante 7% de indecisos. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Segundo o Ibope, foram ouvidos 2.002 eleitores entre os dias 27 e 30 de junho. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número 17.245/2010.  O quadro confirma a tendência registrada pela pesquisa Datafolha divulgada na sexta-feira (02), em que o tucano e a petista apareciam tecnicamente empatados _Serra tinha 39% contra 38% de Dilma. Marina aparecia com 9% das intenções de voto. 

O levantamento do Ibope também mediu o grau de aprovação do governo Lula. Dos entrevistados, 76% avaliaram a gestão como ótima ou boa, enquanto 19% disseram considerar o governo regular. Classificaram como ruim ou péssimo 4%. (C/ Folha on line)

Doações do mais rico


Eike Batista é tradicionalmente um mão-aberta nas campanhas eleitorais. Em 2006, doou 1 milhão de reais à campanha de Lula e mais 3,4 milhões de reais a outros onze políticos, como Roseana Sarney, Sérgio Cabral e Cristovam Buarque. Suas doações têm a particularidade de ser na condição de pessoa física, e não em nome das suas companhias, como é a prática do empresariado. E, agora, o que fará Eike? Decidiu doar 2 milhões de reais às campanhas de José Serra e Dilma Rousseff (metade para cada uma delas). Abrirá o cofre também para várias campanhas nos estados em que seu grupo atua. ( Por Lauro Jardim/ Veja on line)

Eleições 2010: agentes públicos e candidatos proibidos de praticar várias ações a partir deste sábado (3)

A Lei das Eleições proíbe os agentes públicos de realizarem várias ações a partir deste sábado (3), quando faltarão três meses para as eleições gerais. De acordo com a lei, algumas condutas poderiam afetar a igualdade de oportunidades entre os candidatos, por isso, a partir desta data, não pode haver, por exemplo, transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios e os agentes estão proibidos de contratar shows artísticos com recursos públicos para inaugurações.

Já os candidatos a qualquer cargo não podem comparecer a inaugurações de obras públicas. Essa norma é uma novidade trazida pela Lei 12.034/09 (minirreforma eleitoral). A regra anterior proibia apenas a presença de candidatos aos cargos do Poder Executivo. Confira as proibições:

A partir do dia 3, é proibido realizar transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios, e dos estados aos municípios, sob pena de nulidade, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou de serviço em andamento e com cronograma prefixado, e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública.

Também  a partir deste sábado até a posse dos eleitos, os agentes públicos não podem  nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito.

No entanto, nesse período pode ser realizado concurso público e pode haver a nomeação dos aprovados em concursos homologados até 3 de julho. Também é permitida a nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança e a nomeação para cargos do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República.

Pronunciamento e publicidade

Também a partir do dia 3, os agentes públicos cujos cargos estarão em disputa não podem fazer pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão. A única exceção para pronunciamento é no caso de, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo.

Esses agente não podem autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos municipais, ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral. No entanto, pode ser realizada propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado.

A pratica de alguma das condutas proibidas pela lei sujeita o infratr a multa de cinco a cem mil ufirs. (C/ o TSE)

Sofrido, brigado, dramático: Espanha bate Paraguai e pega a Alemanha


Só mesmo na África do Sul para uma zebra com listras vermelhas e brancas dar as caras. Só mesmo com muita insistência para ela ser abatida. A Espanha sofreu como nunca para superar o Paraguai por 1 a 0, com um gol chorado do artilheiro David Villa, neste sábado, no estádio Ellis Park, em Joanesburgo, e cravar presença nas semifinais da Copa do Mundo. O gol saiu na parte final de um segundo tempo emocionante, com pênaltis marcados, anulados e ignorados. O Paraguai, guerreiro, está eliminado. A Fúria pega a Alemanha na quarta-feira, às 15h30m (de Brasília) em Durban. Quem vencer estará no Soccer City, no dia 11, para decidir o título contra o ganhador de Holanda e Uruguai.

Com o gol, David Villa assumiu a artilharia da Copa 2010, com cinco. E chegou a 43 com a camisa da Espanha, a apenas um do recordista (Raúl). Mas foi complicado. O Paraguai, forte na defesa, vendeu com juros a classificação aos espanhois. Agora, a equipe de Vicente del Bosque tem pela frente um repeteco da final da Eurocopa de 2008, quando deu Espanha, com gol de Fernando Torres, apagado no Mundial.

Com o resultado, a Espanha de 2010, no mínimo, igualou o melhor resultado do país na história das Copas: o quarto lugar obtido no Mundial de 50. O Paraguai deixa o continente africano honrado com a inédita participação nas quartas de final. Mas sem conseguir fazer com que a modelo Larrissa Riquelme (foto) cumprisse a promessa de desfilar nua pela capital Assunção caso o time chegasse às semifinais.

Paraguai amarra a Espanha no primeiro tempo

Xavi recebeu pelo meio, perto da área, deu um toquezinho na bola com a perna direita e já girou para mandar de canhota, sem deixá-la cair, em um lance com a plasticidade típica da Espanha. A bola saiu por pouco. Mas não esteve na beleza do lance seu real simbolismo. A grande questão é que ele aconteceu aos 28 minutos do período inicial. E foi o primeiro chute da Fúria na direção do gol paraguaio.

Até ali, a Fúria girou de um lado para o outro sem ir a lugar algum. É bem verdade que a campeã da Europa já viveu dias mais criativos do que na Copa 2010, mas o que complicou mesmo foi a organização defensiva do Paraguai. O técnico Gerardo Martino fez seis modificações para o duelo com a Espanha. Na defesa, no meio-campo e no ataque. A ideia, nenhuma surpresa, era dar ainda maior compactação a um time que foi a campo tendo sofrido apenas um gol em quatro jogos. Do trio ofensivo, só sobrou Valdés. Roque Santa Cruz e Lucas Barrios foram para o banco.

O curioso é que a força defensiva do Paraguai teve efeito duplo: primeiro, claro, barrou o talento espanhol; segundo, deu tranquilidade para os sul-americanos arriscarem uma ou outra escapulida ao ataque. Na frieza dos números, deu mais Paraguai do que Espanha no primeiro tempo. Os dois times arremataram quatro vez a gol. Mas a única bola que foi na meta, foi do time guarani.

Jonathan Santana, logo com um minuto, recebeu pelo meio e mandou a gol. Casillas pegou. Riveros, aos oito, cabeceou para fora. Alcaraz, aos 20, teria marcado se tivesse dois centímetros a mais. Santana, aos 34, viveu situação igual. Faltou muito pouco para alcançar a bola em cruzamento de Morel. Valdez, aos 45, recebeu de Cardozo e mandou chute cruzado, para fora. Pouco antes, aos 41, o atacante havia marcado, mas o lance foi anulado por impedimento de Cardozo bem observado pela arbitragem (confira no vídeo ao lado).

A Espanha teve o controle da bola, como costuma fazer, mas faltou infiltração. Fernando Torres começou bem e terminou mal três jogadas. Villa e Xavi não tiveram o brilho de outros jogos. E a Fúria ouviu o apito final do primeiro tempo com o sentimento de que havia algo de errado por ali.

O destino em dois (ou três, ou quatro) pênaltis

O conceito de loucura no futebol parece ter sido criado especificamente para o segundo tempo do jogo entre Espanha e Paraguai. Contam-se nos dedos de uma só mão as partidas de Copa do Mundo com acontecimentos tão estranhos quanto os da etapa final da partida deste sábado no Ellis Park. Com destaque para dois pênaltis. Ou em três. Ou, melhor ainda, em quatro!

O primeiro foi a favor do Paraguai. Piqué agarrou Cardozo na área aos 13 minutos. Depois das reclamações da Fúria, o próprio camisa 7, autor do último gol guarani na disputa por penalidades máximas contra o Japão, nas oitavas de final, partiu para o tiro. E deu Casillas. O goleiro se adiantou, caiu no canto esquerdo e abafou o sonho paraguaio.

Após a defesa, a Espanha partiu para o ataque e deu o troco na mesma moeda. A diferença é que o pênalti de Alcaraz em Villa foi um tanto forçado pelo atacante. A revolta, desta vez, foi dos paraguaios. Choro em vão. Lá foi Xabi Alonso para a cobrança: bem batido, no canto, sem chances para o goleiro. O problema é que houve invasão espanhola à área. O árbitro guatemalteco Carlos Brates mandou a cobrança ser repetida.

Lá foi Xabi Alonso de novo para a segunda cobrança, que ali já virou terceira do jogo. E desta vez deu Villar. O goleiro caiu no canto esquerdo, espalmou a bola e, um segundo depois, na disputa pelo rebote, atingiu as pernas de Fábregas. Pênalti claro! Melhor: pênalti em uma cobrança de pênalti! E o juiz mandou seguir...

Aí foi a vez de os espanhois quase arrancarem os cabelos – os seus e os dos árbitros. Quando o lance foi repetido no telão do estádio, os reservas quase invadiram o campo, irados. E o jogo, com quatro pênaltis, dois perdidos, um anulado e um ignorado, seguia no 0 a 0.

Virou jogão. O Paraguai pareceu sentir que era possível vencer a Espanha. A Fúria não engoliu o (s) pênalti (s) perdido (s). A partida ficou mais aberta, com arrancadas de lado a lado, com possibilidades que invariavelmente acabavam frustradas no fim. O que era morno no primeiro tempo virou fervura no segundo.



E quente mesmo foi David Villa, artilheiro, oportunista, matador. Aos 38, Iniesta fez fila na entrada da área e mandou para Pedro, que arrematou na trave. Na sequência, foi a vez de Villa. A bola beijou (de novo!) o poste esquerdo, rolou por cima da linha, tocou no direito e entrou.

Fúria enfurecida, fera ferida! A Espanha entrou em êxtase com o gol depois de tanto sofrimento.

Mas os guerreiros guaranis não se entregaram. O treinador Gerardo Martino mandou Lucas Barrios a campo no lugar do volante Cáceres. E o duelo continuou quente. Aos 43, Casillas salvou novamente a Espanha. Após soltar um chute exatamente de Barrios, o goleiro se recuperou e salvou com o pé esquerdo uma conclusão à queima-roupa de Santa Cruz (no vídeo ao lado). Na sequência, os espanhois partiram em contra-ataque, e Villar defendeu conclusão de Villa.

Foi o último capítulo de um dos jogos mais malucos - e emocionantes - que uma Copa do Mundo já viu. (Com Globo Esporte)

Alemanha goleia o time de Maradona

Klose vibra, Messi lamenta: a Alemanha despacha a Argentina e avança às quartas de final (Foto: AP)

A torcida argentina comemorou bastante a eliminação do Brasil na sexta-feira, mas a festa dos hermanos não durou mais que um dia. Desta vez, a Alemanha não precisou de pênaltis e nem de sofrimento, como em 2006: sem dar chances ao time de Diego Maradona, os alemães aplicaram um chocolate inapelável por 4 a 0 na Cidade do Cabo e estão classificados para a semifinal da Copa do Mundo. Como disse o diário “Olé” para os brasileiros, os argentinos agora também podem comprar uma televisão para assistir ao restante do Mundial no conforto do sofá de casa.

Maradona desfilando sem roupa no Obeslico em Buenos Aires? Fica para a próxima.

Na última Copa, a Alemanha também eliminou a Argentina nas quartas de final, mas com uma sofrida decisão por pênaltis. Neste sábado, no Green Point, não deu nem tempo de roer as unhas: Müller abriu o placar antes do terceiro minuto de jogo e fez o gol mais rápido do torneio na África do Sul. Klose marcou duas vezes e agora tem 14 em Copas, um a menos que o recorde de Ronaldo. O zagueiro Friedrich também deixou o seu. Schweinsteiger não marcou, mas foi o maestro do time e acabou sendo eleito o melhor da partida pelos internautas no site da Fifa.

A torcida argentina era maioria no estádio, mas quem riu por último foi o meia Michael Ballack, que ficou fora da Copa por contusão, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, ambos presentes no estádio. Melhor jogador do mundo em 2009, Lionel Messi teve atuação apagada e deixou a competição sem nenhum gol marcado.

A seleção de Joachim Löw agora espera o vencedor de Paraguai x Espanha, ainda neste sábado, às 15h30m, para saber quem será seu rival na próxima quarta-feira, em Durban, pela semifinal. Um dia antes, Uruguai e Holanda decidem na Cidade do Cabo o primeiro finalista.

O jogo

A Alemanha parecia com pressa para abrir o placar. Parecia, não. Realmente estava. Com exatos 2m38s no relógio, Schweinsteiger cobrou falta, Otamendi ficou parado, Müller subiu e tocou de cabeça. A bola bateu na perna do goleiro Romero, que estava mal posicionado, e entrou: 1 a 0, gol mais rápido da Copa do Mundo.

Oficialmente, a Fifa arredonda para cima e considera a marca como 3 minutos. O inglês Gerrard fez aos 3m31s contra os Estados Unidos, mas na súmula aparece 4. Agora, Müller está ao lado de Higuaín (Argentina), David Villa (Espanha), Vittek (Eslováquia) e Sneijder (Holanda) no topo da artilharia do Mundial, com quatro gols.

O 1 a 0 no placar deixou a Alemanha ainda mais confiante e deu uma pane na Argentina. Principalmente pelo lado direito da defesa de Maradona. Perdido em campo, Otamendi levava um baile de Podolski. O lateral argentino ainda levou cartão amarelo aos 11, por falta em Friedrich no campo de ataque. Um exemplo de que nada dava certo para os hermanos aconteceu aos 16: Tevez tentou puxar contra-ataque, mas se enrolou, perdeu a bola e a chuteira, que ficou no gramado. Na beira do campo, o Pibe olhava de braços cruzados. O que fazer?

Na arquibancada, a maioria argentina resolveu “jogar” aos 20. Os torcedores pulavam e cantavam, mas os jogadores não correspondiam em campo. Culpa da Alemanha, que tinha uma defesa muito bem montada por Joachim Löw e era perigosa na frente. Como aos 23, quando Heinze se enrolou ao tentar cortar um passe, Müller invadiu a área e rolou para Klose, que bateu por cima.

Apagado, Messi passou a procurar mais o jogo. Maradona viu que Otamendi era o ponto fraco e mandou Di Maria sair da esquerda e ir para direita. Assim, o lateral parou de subir ao ataque e Podolski ainda tinha que se preocupar com a marcação do novo jogador do Real Madrid. A tática deu certo e a Argentina passou a ter mais chances. A melhor foi aos 36. Müller tocou a mão na bola na entrada da área e recebeu amarelo. Na sequencia da falta mal cobrada por Messi, Tevez recebeu sozinho de Heinze na área e cruzou para Higuaín tocar para o fundo da rede. Mas quatro argentinos estavam em impedimento na jogada, bem anulada.

Em 45 minutos, a Alemanha deu dez chutes, mas apenas um na direção do gol: justamente o que resultou no 1 a 0 da primeira etapa. Os argentinos deram nove e tiveram 55% de posse de bola.

Quem voltou com pressa no segundo tempo foi a Argentina. Mas sem a mesma pontaria de Müller no início da partida. Aos três, Di Maria arriscou de longe a bola passou rente à trave alemã. O empate não saiu por pouco, alguns centímetros.

Com a vaga na mão pela vantagem no placar, a Alemanha se fechou ainda mais, apostando nos contra-ataques. E deixou a Argentina ser dona da bola, como Maradona pediu a semana inteira. Mais passe, mais chutes dos hermanos. Para fora, nas mãos de Neuer e até na cara do adversário: aos 17, Di Maria cruzou da direita, Maxi Rodriguez ajeitou com o peito e Tevez soltou a bomba, que explodiu no rosto de Mertesacker.

Os hermanos ainda tiveram duas chances, com Higuain e Tevez, que pararam nas mãos do goleiro. Se a principal arma argentina não dava certo – o toque de bola -, a maior falha voltou a aparecer: o lado direito da defesa. Na velocidade, a seleção de Lahm roubou a bola pela esquerda do ataque aos 23 e, sentado, Müller tocou para Podolski, que invadiu a área e rolou para Klose fazer seu 13º gol em Copas do Mundo, passando Pelé (12) e ficando a dois do recordista Ronaldo (15).

O tiro de misericórdia saiu aos 29. Mais uma vez pelo frágil lado direito da zaga argentina, que até nem contava mais com Otamendi, substituído logo após o gol por Pastore. Schweinsteiger fez o que quis pelo setor, driblou três argentinos na sequência, entrou na área e rolou para o zagueiro Friedrich pegar de primeira no bico da pequena área: 3 a 0.

Ainda havia tempo para mais um contra-ataque, e a desgraça argentina se consolidou com mais um gol de Klose, aos 44. Bola de pé em pé, de Özil para Podolski, de Podolski para Özil, de Özil para Klose, que bateu de pé direito e fez seu 14º gol em Copas, o quarto neste Mundial, assumindo a artilharia ao lado de Higuaín, Vittek David Villa e Müller. A Alemanha avança cheia de moral para as semis, e está carimbado o passaporte dos hermanos, não para a próxima fase, e sim de volta para casa. Adeus, Argentina. Até 2014, se conseguirem a vaga para jogar no Brasil. (Com o Globo Esporte)

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Disputa entre Alemanha e Argentina esquentou já antes do jogo


Durante a semana, alemães e argentinos se provocaram com declarações polêmicas. Além disto, sul-americanos querem revanche pela eliminação em 2006. Equipes se estudaram e estão prontas para o clássico.

Argentina e Alemanha se enfrentam neste sábado (03/07) pelas quartas de final da Copa da África do Sul, em 2010. As duas seleções se enfrentaram no último Mundial exatamente na mesma fase. Foram noventa minutos de tempo normal, mais trinta de prorrogação, mais a tensão da disputa por pênaltis. De certa forma, é um jogo que ainda não acabou.

Na ocasião, foi a Alemanha quem avançou às semifinais, com o goleiro Jens Lehmann defendendo duas cobranças. A Argentina não nega que o resultado ainda esteja engasgado na garganta. "Meus meninos só pensam no jogo e na possibilidade de terem a revanche", disse Diego Armando Maradona, técnico da seleção argentina.

Aquela partida terminou com uma confusão no gramado, alemães e argentinos trocaram empurrões, socos e pontapés. O meio-campo Bastian Schweinsteiger estava em campo naquele dia e disse nesta semana que não gosta de enfrentar este adversário. "Já começa antes do jogo, como eles gesticulam e tentam influenciar o árbitro. É falta de respeito, mas os argentinos são assim", disparou.

Maradona, sempre polêmico, e sempre confiante em seu time, respondeu prontamente: "Nós vamos atacar a Alemanha e ganhar, é isso que deixa Schweinsteiger nervoso".

Por dentro do adversário

O zagueiro argentino Martín Demichelis joga no Bayern de Munique, mesmo clube de Schweinsteiger, e disse que eles são "bons amigos, bons colegas". Antes do jogo, ele tentou diminuir o clima de tensão. "Não se deve dar tanta importância para isto, não deveria virar uma polêmica", opinou.

Campeão da Bundesliga e da Copa da Alemanha na última temporada, Demichelis é o especialista em futebol alemão entre os argentinos. "É óbvio que eu conheço os pontos fracos, mas também os pontos fortes dos alemães. Falei sobre isto com o técnico e com meus colegas, mas é em campo que nós temos que mostrar do que somos capazes", contou.

Do outro lado, é verdade que nenhum alemão atua no futebol argentino, mas isto não impede o conhecimento do adversário. A comissão técnica tem uma equipe de profissionais que fornecem relatórios detalhados sobre cada seleção que enfrenta a Alemanha, com cerca de 200 páginas cada, além de vídeos.

Devidamente informado, Joachim Löw elogiou o adversário, que venceu todos os seus jogos na Copa do Mundo. "Eu espero um jogo incrivelmente disputado. Não podemos cometer nenhum erro porque eles têm muitos jogadores capazes de fazer gols. Mas dá para atingir a Argentina, nós achamos alguns detalhes de suas fraquezas", disse o treinador alemão.

Os nomes do jogo

Löw tem um desfalque para esta partida: o atacante Cacau teve uma distensão num músculo abdominal. Porém, ele é reserva de Miroslav Klose e não chega a ser um problema tão grande para Joachim Löw. Quem dá dor de cabeça ao treinador é Lukas Podolski que não treinou por causa de um estiramento na perna e é dúvida.

Outro que não treinou foi o meia Mesut Özil. Mas ele está confirmado, precisava apenas de um descanso. Pela Argentina, o astro Lionel Messi, gripado, voltou a treinar nesta sexta.

Os dois jovens e habilidosos jogadores estão entre os destaques da Copa até o momento. Özil, no entanto, não quer saber de duelo particular e nem de comparações, e disse que seu estilo não tem nada a ver com o do argentino. Aproveitou também para elogiar o adversário: "Messi provou nos últimos anos o jogador que é. Não é o melhor jogador do mundo no ano (prêmio que lhe foi concedido pela Fifa) à toa".

A tarde será especial também para o jogador mais velho entre os convocados por Löw. Com 32 anos recém-completados, Klose completará 100 jogos com a camisa da seleção alemã. Mesmo tendo feito má temporada, o atacante recebeu confiança total do treinador e já marcou dois gols no Mundial – somando 12 na história do torneio, apenas três a menos que o recordista Ronaldo. (C/ Deutsche Welle)

Em jogo dramático, Uruguai vence Gana nos pênaltis e pega Holanda na semi

O Uruguai conseguiu uma dramática vitória sobre a seleção de Gana, por 4 a 2, na disputa de pênaltis, nesta sexta-feira, após empate por 1 a 1 no tempo regulamentar e na prorrogação, e avançou às semifinais da Copa do Mundo-2010.

Esta foi a segunda disputa de pênaltis da Copa do Mundo-2010. Antes, nas oitavas de final, o Paraguai havia despachado o Japão nas penalidades após empate sem gols no tempo regulamentar e na prorrogação.

Gana teve a chance de matar o jogo no último minuto da prorrogação, mas Asamoah Gyan desperdiçou cobrança de pênalti, após o atacante Luis Suarez salvar com as mãos um gol feito do time africano e ser expulso.

Agora, o Uruguai enfrenta nas semifinais a Holanda, que hoje despachou o Brasil ao vencer por 2 a 1, em Port Elizabeth, na outra partida das quartas de final. O jogo da semi está marcado para o dia 6, na Cidade do Cabo.  Esta é a melhor campanha do Uruguai desde 1970, quando o time sul-americano perdeu para o Brasil de Pelé, nas semifinais, por 3 a 1. Já Gana, em sua segunda Copa, chegou à sua melhor colocação --em 2006, havia parado nas oitavas de final.

O jogo

O Uruguai começou o jogo melhor e deu a impressão de que seu gol seria questão de tempo. O time sul-americano pressionava Gana, que parecia assustada e só se defendia, sem levar perigo.


Mas o panorama mudou na parte final do primeiro tempo, e Gana melhorou e passou a sufocar o rival. De tanto insistir, o gol saiu aos 47min, quando Muntari arriscou chute de longe e a bola entrou no canto esquerdo do goleiro: 1 a 0.  Em desvantagem, o Uruguai voltou mais ligado na segunda etapa e não demorou para igualar o marcador. Aos 11min, Forlán bateu falta forte e empatou o jogo. Depois disso, as duas equipes diminuíram o ímpeto e pareciam mais preocupadas em não levar o gol.

Na prorrogação, o panorama mudou, e a cautela deu lugar à ousadia. Os lances de perigo foram surgindo. Aos 8min do segundo tempo da prorrogação, Forlán dominou do lado esquerdo e chutou de primeira, a bola passou por cima do gol. Quatro minutos depois, Boateng cabeceou com perigo, próximo à trave.

No momento em que parecia que a partida iria para a decisão por pênaltis, após confusão na área, o atacante Luis Suárez salvou a bola em cima da linha com as mãos, como se fosse um goleiro, foi expulso e ainda cedeu um pênalti para o rival. Era o gol da vitória de Gana se Asamoah Gyan não acertasse o travessão na cobrança do pênalti. Aí o jogo foi para as penalidades. (C/ Folha on line)

Paris Hilton é detida portando maconha após jogo entre Brasil e Holanda

JOHANESBURGO- Dois policiais sul-africanos afirmaram nesta sexta-feira, 2, sob condição de anonimato, que a socialite americana Paris Hilton foi presa na cidade de Port Elizabeth, após o jogo pelas quartas de final entre Brasil e Holanda, portando maconha. Segundo uma rádio local de Johanesburgo, Paris foi presa fora do estádio Nelson Mandela.

Segundo porta-voz, uma celebridade iria responder em um tribunal pela posse de drogas"Ela foi pega portando uma quantidade não especificada de 'dagga'", disse um policial, usando o termo local para a droga. Nós não sabemos o quanto. É uma pessoa da alta sociedade, apenas altos oficiais estão lidando com o caso", disse.

Um porta-voz da polícia da cidade se recusou a confirmar o nome da detida, mas disse que uma celebridade iria responder em um tribunal por crimes relacionados a posse de drogas. "Essa pessoa está comparecendo à corte agora. Nós não podemos revelar informações sobre ela até que ela compareça à corte. Estou aqui com o indivíduo, estamos esperando para o julgamento começar", disse. ( C/Agência Estado)

Após eliminação, Dunga diz que ciclo na seleção brasileira terminou

Visivelmente abatido e com um tom bem mais ameno nas palavras, o técnico Dunga deixou a entender durante a entrevista coletiva oficial da Fifa que vai deixar o comando da seleção brasileira após a derrota por 2 a 1 para a Holanda, nesta sexta-feira, e a eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo. O treinador falou pouco sobre o assunto, mas lembrou que foi contratado para comandar a seleção por quatro anos.

- Quanto ao meu futuro, desde que eu cheguei à seleção todo mundo já sabia que seria para ficar quatro anos - disse.

A entrevista coletiva foi bem mais rápida do que o normal e terminou com muitos jornalistas ainda querendo fazer perguntas ao técnico da seleção brasileira. Foram apenas sete minutos e 39 segundos e somente sete perguntas, sendo que uma em inglês feita por um funcionário da Fifa. Dunga evitou encontrar um culpado pela eliminação da Copa do Mundo. O treinador foi questionado sobre a parcela de responsabilidade de Felipe Melo, expulso no segundo tempo após fazer falta e, em seguida, dar um pisão em Robben.

- Acho que a culpa é de todos nós, e eu levo a maior parte. Seria injusto eu falar do Felipe. Quando (a seleção) ganhou, todos ganharam. Não é a primeira vez que um jogador é expulso em uma Copa do Mundo.

O treinador brasileiro reclamou da arbitragem do japonês Yuichi Nishimura.

- Atuar com um jogador a menos sempre dificulta mais. Desde o início do jogo nós comentamos que o juiz estava sendo pressionado, e algumas faltas que não existiam estavam sendo marcadas. Tive que tirar o Michel Bastos porque ele deu cartão em um lance que nem falta foi. Só quem está dentro de campo é que tem uma noção melhor - disse Dunga.

Desde que assumiu a seleção, após a Copa do Mundo de 2006, Dunga comandou o Brasil em 60 jogos. Foram 42 vitórias, 12 empates e seis derrotas. Neste período, o treinador conquistou a Copa América, a Copa das Confederações e terminou em primeiro lugar as eliminatórias da Copa do Mundo. (Com Globo Esporte)

Dunga defende Felipe Melo, mas lamenta expulsão


A atuação de Felipe Melo foi o símbolo da Seleção Brasileira. Bem no primeiro tempo e mal no segundo. 

O volante se destacou na primeira etapa. Firme na marcação e com a cabeça no lugar, o camisa 5 ainda deu um belo passe que resultou no gol de Robinho. Porém, no segundo tempo, as coisas mudaram.

Em uma bola alçada na área por Sneijder, logo aos 8 minutos, Felipe Melo desviou e acabou marcando contra. O lance desestabilizou o jogador e a Seleção Brasileira.

Vinte minutos depois, o volante de Dunga fez o que todos temiam. Cometeu falta em Robben e, com o jogo já parado, pisou no holandês. O árbitro não teve dúvidas e o expulsou de campo.

Os números mostram que o volante não estava mal em campo. No entanto, seu temperamento foi decisivo para a eliminação do Brasil. (Com informações Lancenet)

Ronaldo: 'Felipe Melo não deve passar férias no Brasil'


Logo após a expulsão de Felipe Melo na derrota do Brasil para a Holanda, por 2 a 1, que eliminou a Seleção da Copa do Mundo nas quartas de final, Ronaldo publicou em seu Twitter um conselho para o volante:

- Felipe Melo não deve passar férias no Brasil... (Foto: Reprodução / com informações Lancenet)

Brasil perde para a Holanda e é eliminado de novo nas quartas


Em toda a sua preparação e durante a Copa do Mundo, a seleção brasileira se esforçou em adotar uma filosofia diferente da de 2006. Por ironia, o resultado foi o mesmo: derrota para uma seleção europeia e eliminação nas quartas de final. No lugar da França, o algoz foi a Holanda. E Sneijder tomou de Henry o posto de carrasco, participando do lance do primeiro gol e marcando o segundo na vitória por 2 a 1, de virada, nesta sexta-feira.

Robinho marcou o gol do Brasil, que teve atuação segura na primeira etapa e se desmontou na segunda. Felipe Melo deu um pisão em Robben e foi expulso. A Holanda, que acumulou sua quinta vitória consecuitva na Copa e alcança 24 partidas de invencibilidade, enfrentará Gana ou Uruguai na semifinal, em partida na terça-feira, às 15h30m (de Brasília).

Conhecidas pelo estilo bonito de jogar, as seleções de Brasil e Holanda deixaram o futebol de lado nos primeiros minutos. Luis Fabiano e Van Bommel se estranharam e foram repreendidos pelo árbitro. O holandês pareceu não se intimidar, já que em seguida discutiu com Robinho. Passado esse início nervoso, no entanto, os brasileiros perceberam que teriam espaço para jogar.

A primeira pista veio com passe de Maicon, que encontrou Daniel Alves livre, mas impedido, ainda que por pouco. Robinho se posicionou melhor e correu sozinho no meio da zaga laranja. Recebeu passe primoroso de Felipe Melo e chutou com estilo, sem dominar a bola, superando o goleiro. Com 1 a 0 no placar logo aos dez minutos, o Brasil pôde se planejar para atuar do jeito que mais gosta: marcando em cima no campo defensivo e procurando os contra-ataques.

No entanto, o estilo da Holanda, de não ir ao ataque desesperadamente, fez com que os contragolpes não viessem. Ainda assim, o Brasil produziu belas jogadas. Numa delas, Daniel Alves deu dois cortes pela ponta e cruzou para Juan chutar por cima do gol. Na mais bonita, Robinho deixou para trás dois marcadores, Luis Fabiano deu passe de letra, e Kaká chutou bem ao seu estilo, com efeito, obrigando Stekelenburg a fazer excelente defesa.

Com uma barreira à sua frente, Julio Cesar pouco trabalhou: fez duas defesas, com segurança, em chutes de Kuyt e Sneijder. O craque Robben insistiu na sua jogada preferida, de carregar a bola pela direita e cortar para a esquerda, mas foi sempre bloqueado antes do chute. A Holanda tentou invadir o terreno brasileiro até recorrendo à malandragem. Em cobrança de escanteio, Robben deu um leve toque na bola e correu para a área. Mas Daniel Alves, atento, alcançou a bola antes que um adversário chegasse até ela.

Após 19 faltas, o primeiro tempo terminou com mais uma boa jogada da seleção, em que Kaká - mais participativo do que em outros jogos - inverteu um lance da esquerda para a direita. Maicon chutou para defesa do goleiro.

Tão segura nos 45 minutos iniciais, a defesa brasileira começou vacilante na segunda etapa. Um lance displicente no primeiro minuto fez com que Felipe Melo levasse uma bronca de Lúcio. Sete minutos depois, o Brasil sofreu o empate num lance que, até esta sexta-feira, era incomum na Copa: falha da defesa. Julio Cesar e Felipe Melo se chocaram, e a bola cruzada por Sneijder desviou de leve no volante antes de entrar. Foi o primeiro gol contra do Brasil na história dos Mundiais.

A igualdade no placar desestabilizou o Brasil, que ficou acuado em seu campo e via suas tentativas de ataque esbarrar em erros de passe. Só conseguiu concluir uma jogada aos 20 minutos, quando Kaká bateu colocado, mas sem muito perigo. A Holanda, que mostrou suas fragilidades no primeiro tempo, passou a explorar as do Brasil, explorando o lado direito do ataque, fazendo Michel Bastos sofrer para marcar Robben. Pendurado com o cartão, o lateral deu lugar a Gilberto aos 16 minutos.

Seis minutos depois, a Holanda conseguiu a virada. E em outra falha da defesa. Uma cobrança de escanteio encontrou Kuyt na primeira trave. Ele desviou a bola para trás, e Sneijder cabeceou para a rede. Mais seis minutos, e a situação piorou. Felipe Melo fez falta e em seguida deu um pisão em Robben, recebendo cartão vermelho direto.

Dunga ainda trocou Luis Fabiano por Nilmar, mas a troca de um atacante por outro pouco ajudou a seleção, que só conseguiu levar perigo aos holandeses em duas cobranças seguidas de escanteio. Aos 44 minutos, veio a tentativa derradeira. Daniel Alves cobrou falta, mas a bola explodiu na barreira. (Com o Globo Esporte)

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Brasil e Holanda, invictos, disputam vaga à semifinal

(Duelo das quartas de final coloca frente a frente duas equipes que não estão encantando os torcedores, mas que impõem respeito. Quando se trata de Copa do Mundo, vencer é mais importante do que convencer.)

Brasil e Holanda fazem nesta sexta-feira (02/07) o primeiro jogo das quartas de final da Copa do Mundo de 2010. As duas seleções têm muito em comum. Estavam entre as favoritas desde antes do começo do torneio, fazem ótima campanha – estão invictas até o momento –, mas sofrem com a cobrança dos críticos, que queriam ver um futebol ainda mais bonito, condizente com a tradição das duas escolas.

O atacante holandês Ryan Babel reconheceu que as partidas de seu time não têm sido tão empolgantes, mas acha que isto é culpa dos adversários, que se fecham na defesa. Por isto, ele acredita que os torcedores verão um grande jogo no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth. "Nós jogamos nossas melhores partidas contra times que também querem jogar futebol e, na sexta-feira, o Brasil não vai ficar esperando", acredita Babel.

A seleção brasileira, no entanto, está disposta a jogar na defesa e explorar os contra-ataques, caso esta seja a melhor forma de vencer o jogo. Desde que Dunga assumiu o comando, há muitas críticas quanto ao estilo defensivo do time. A esta altura, os jogadores já nem dão importância ao que se fala sobre eles.

"Tanto faz jogar com estilo ou jogar feio, o importante é que o Brasil esteja na final no dia 11 de julho", afirmou o lateral Maicon. Gilberto Silva adotou o mesmo discurso e disse que o Brasil não foi à África do Sul para se divertir; "queremos ser campeões", justificou o meio-campo.

Marcação a Robben

Enquanto isto, os jogadores da defesa estão se consagrando. "Para Dunga, os zagueiros são tão importantes quanto os atacantes. Nem sempre foi assim", destacou Juan, que forma ao lado de Lúcio a elogiada dupla de zaga.

Dunga tem um plano claro de como a defesa deve ser armada. Ele pede aos jogadores de meio-campo e aos atacantes para fazer a cobertura, o que facilita muito o nosso trabalho. Nós precisamos correr menos", explicou o jogador.

Juan falou ainda sobre Arjen Robben, o principal jogador da seleção holandesa. O meia-atacante foi o artilheiro do Bayern de Munique, campeão alemão e da Copa da Alemanha, com 23 gols na temporada. Recuperado de contusão, ele atuou por 71 minutos contra a Eslováquia, marcou um gol e foi escolhido o melhor em campo.

"Nosso trabalho é impedir que a bola chegue até ele. Será um passo importante no caminho para a vitória. Nós temos que nos organizar muito bem na defesa para que nada nos surpreenda", opinou o zagueiro.

"Temos que acreditar"

Brasil x Holanda é um duelo com história em Copas do Mundo. As duas seleções se enfrentaram três vezes, fazendo sempre partidas decisivas e emocionantes. Em 1974, o "carrossel holandês" de Johan Cruyff venceu por 2 a 0 na fase semifinal e avançou para a decisão inédita.

Em 1994, o jogo valeu pela quartas de final e o Brasil venceu por 3 a 2, com um gol decisivo de Branco, cobrando falta. Nas semifinais de 1998, nova vitória brasileira, desta vez na disputa por pênaltis. Nos dois últimos confrontos, Dunga era o capitão da seleção. Quem também estava em campo em 1998 era Frank de Boer, hoje assistente técnico da seleção holandesa. "Eu aprendi uma lição em 1998. Na época, nós estávamos satisfeitos com a chegada às semifinais e aquilo dói até hoje", contou.

O técnico Bert van Marwijk também exige ambição. "Talvez seja a primeira vez em que não somos os favoritos na África do Sul. Estamos confiantes, mas o Brasil também tem esta confiança. É quase como se eles fossem invencíveis. Mas estamos aqui por uma razão, para levar o grande prêmio. Nós temos que acreditar", pediu.

De fato, os jogadores demonstraram esta confiança em suas palavras. "Esta é a melhor seleção 'laranja' pela qual eu já joguei", disse Mark van Bommel. "Nós temos alguns jogadores que podem fazer diferença", acrescentou Robben.

Plantão médico

Para esta partida, o Brasil continua sofrendo com desfalques no meio-campo. Elano está ainda está com o tornozelo inchado por causa de uma entrada imprudente do marfinense Tioté, na segunda rodada da fase de grupos. Felipe Melo também está machucado no tornozelo, resultado de uma falta cometida por Pepe, brasileiro de nascimento que defende a seleção de Portugal.

Os lances causaram revolta entre os brasileiros. "Eu não gosto de reclamar, mas este tipo de violência precisa ser analisado", disse Elano, que corre o risco de perder o resto da Copa, caso o tornozelo não desinche. "Os jogadores técnicos são punidos e os que cometem as faltas, não", disparou Dunga contra a arbitragem.

E o treinador brasileiro tem mais um motivo para se preocupar. Ramires, que foi titular do meio-campo contra o Chile, está suspenso com dois cartões amarelos. Assim, Josué pode ser o substituto de Felipe Melo. No lugar de Elano, Daniel Alves deve seguir jogando. (C/DW)

Candidata do PV é a primeira a solicitar registro de candidatura à Presidência da República

A candidata do Partido Verde (PV), Marina Silva (foto), foi a primeira a solicitar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o registro de sua candidatura à Presidência da República, entre os postulantes ao cargo. O pedido de registro de Marina foi apresentado pelo PV nesta quinta-feira, 1º de julho.

A candidata apresentou estimativa de R$ 90 milhões para o total de gastos de sua campanha à Presidência. Em sua declaração de bens, a candidata informou possuir uma casa em Rio Branco-AC, no valor de 60 mil reais; Lotes que somam R$ 42.481,50 e um saldo de R$ 46.782,88 em conta bancária.

Apresentou ainda, certidões criminais que certificam que Marina Silva não sofreu nenhuma condenação na justiça. O relator do requerimento é o ministro Hamilton Carvalhido. De acordo com a assessoria de Marina, a campanha deve ter um gasto de R$ 90 milhões.

Também foi apresentado o registro do vice na chapa, o empresário Guilherme Leal ( foto). O empresário dono da Natura, declarou o montante de R$ 1,1 bilhão, divido entre casa, embarcação, jóias, obras de arte, fundo de investimento, aplicações nos exterior, entre outros. A Justiça Eleitoral tem até o dia 5 de agosto para aprovar ou não a candidatura.  (C/TSE e Noblat)

Dunga tem aprovação recorde da torcida brasileira, diz Datafolha

O técnico da seleção brasileira Dunga está com uma aprovação considerada ótima ou boa para 69% da população, segundo pesquisa nacional realizada pelo Datafolha. A pesquisa foi feita nos dias 30 de junho e 1 de julho e foram ouvidas 2.658 pessoas (1.291 homens e 1.367 mulheres), em 163 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Desde que assumiu a equipe brasileira há quatro anos, Dunga conquistou todos os títulos que disputou, com exceção dos Jogos Olímpicos de Pequim, quando o time ficou com a medalha de bronze. Da primeira pesquisa feita sobre o treinador, em novembro de 2007 até hoje, Dunga sofre altos e baixos, mas esta última mostra o treinador com o seu maior grau de aprovação.

Em novembro de 2007, Dunga era considerado bom/ótimo por 44%. Na seguinte, em novembro de 2008, sofreu queda para 33%. Em dezembro do ano seguinte, após a classificação para a Copa do Mundo, o treinador teve um salto e chegou a 64%. Em abril e maio deste ano, Dunga teve uma ligeira queda (57% e 49%, respectivamente) até aparecer neste momento com o recorde de 69%.

Ainda segundo o Datafolha, hoje Dunga é considerado regular para 22% dos entrevistados e ruim ou péssimo para apenas 3%. Não souberam responder 6%. No último dia 24, antes do jogo contra o Chile pelas oitavas de final, Dunga teve o seu momento de redenção quando pediu desculpas "para a torcida brasileira" por conta de palavrões que soltara.

Durante a entrevista, o treinador se estranhou com o comentarista da TV Globo Alex Escobar. "O que foi? Algum problema aí?", perguntou o treinador, rindo. "Não, nenhum, não estava olhando para você', respondeu Escobar. No "Fantástico", a emissora reproduziu a cena e mostrou momentos da entrevista em que, com o microfone aberto, Dunga proferiu palavrões.

"Quero pedir desculpas ao torcedor brasileiro por minha atitude e por como me comportei. O torcedor tem apoiado e não tem nada a ver com problemas pessoais ou de uma ou outra situação. Só quero trabalhar e que me deixem trabalhar", afirmou ele. "Peço desculpas ao torcedor, pois ele não tem que saber de algumas coisas e ouvir desabafos meus. Só quero trabalhar", continuou. (C/Folha on line)

TSE mantém a cassação de Rosinha Garotinho e seu vice

O ministro Marcelo Ribeiro, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou seguimento a ação cautelar em que a prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ), Rosinha Garotinho (foto) e seu vice, Francisco Arthur de Oliveira , tentavam suspender a cassação de seus mandatos.

Eles questionavam decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) que, ao julgar todos os recursos na última segunda-feira (28), confirmou a cassação e determinou a inelegibilidade de ambos por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

A prefeita e o vice pediam a concessão de liminar para suspender a decisão do TRE fluminense até que o recurso especial eleitoral fosse julgado pelo TSE. Alegaram o risco de prejuízo de impossível reparação, uma vez que estão impedidos de exercer as funções para as quais foram eleitos. Sustentaram também a possibilidade de prejuízo para a própria comunidade de Campos, pois o TRE determinou a realização de novas eleições no município.

Explicaram ainda que a entrevista que Rosinha Garotinho concedeu a um programa conduzido por seu marido, Anthony Garotinho, como pré-candidata no dia 14 de junho de 2008 não teve potencialidade para influenciar o resultado das eleições.

Ao negar o pedido, o ministro Marcelo Ribeiro destacou que o TRE analisou as provas e concluiu pelo abuso do poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação e, considerando as provas examinadas pelo tribunal, reformar o julgamento demandaria o reexame de fatos e provas, “o que não se admite em sede de recurso especial”. (C/TRE)

A eleição virou todos contra Dilma, diz The Economist

A nova edição da revista The Economist, que chega às bancas nesta quinta-feira (1), traz uma longa reportagem sobre as eleições no Brasil. O texto diz que "o presidente Lula tem sido capaz de transferir a sua extraordinária popularidade para Dilma Rousseff".

A publicação britânica informa que a candidata do governo ultrapassou o tucano José Serra nas recentes pesquisas, pois "Lula tem uma relação com os brasileiros bem diferente de qualquer outro político". "A eleição virou todos contra Dilma", diz o texto, ao referir-se a um favoritismo da candidata do PT.

A  reportagem lembra que a população brasileira está envolvida com a Copa do Mundo, mas que, em breve, a campanha vai começar oficialmente. A revista diz que Dilma é tida como uma administradora eficiente, mas que tem mau humor. Cita ainda que ela era uma política desconhecida da maioria da população e que lutou recentemente contra um câncer linfático.

O texto mostra que a missão de José Serra não é fácil, pois o governo goza de bons resultados na economia e nas áreas sociais. Segundo a Economist, "seus partidários torcem para que Dilma cometa gafes na campanha".

A reportagem diz que o presidente Lula tem méritos, mas salienta que boa parte dos avanços sociais começou no governo Fernando Henrique Cardoso. "Lula merece elogios por não imitar o populismo econômico de alguns líderes da esquerda da América Latina."

A questão a ser respondida pelos candidatos, segundo a publicação britânica, é como sustentar o legado de Lula e avançar a partir dele. O texto menciona as deficiências da infraestrutura brasileira, a falta de investimentos públicos e o rombo da previdência, entre outros pontos.

"Os brasileiros terão de fazer uma escolha em outubro. José Serra proporcionaria um Estado forte, mas enxuto, que abriria espaço para os investimentos privados e uma carga tributária menor. Já os estrategistas da campanha de Dilma Rousseff acham que o Brasil pode reduzir gradativamente as taxas de juros e os impostos, e que o Estado deve promover o desenvolvimento industrial e a redistribuição de renda. Após 16 anos de estabilidade sob Fernando Henrique e Lula, nenhum candidato propõe uma mudança radical no rumo da economia. O que está em jogo é a velocidade do progresso do país", conclui a reportagem. (C/ portal Exame)

Lula nega ser candidato a cargo na ONU

Um dia antes de embarcar para uma viagem a seis países da África, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou que a visita ao continente represente qualquer pretensão de ocupar um cargo em organismo internacional, como o Banco Mundial, ou de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), quando deixar a Presidência da República.

Segundo Lula, a viagem ocorre em um contexto de cooperação, a exemplo do que já ocorre entre Brasil e África em áreas como energia, agricultura e combate à aids. As afirmações foram feitas hoje (1), em entrevista à TV Brasil Internacional.

"Vi a matéria dizendo que tenho pretensões de ir para a ONU ou o Banco Mundial. É uma cretinice isso. A ONU não pode ter como secretário-geral uma figura forte, tem que ser um burocrata. Em relação ao Banco Mundial, eu não tenho cara de banqueiro", disse ao referir-se à reportagens publicadas pela imprensa.

Lula falou ainda sobre o potencial de cooperação do Brasil com o continente africano na produção de energia limpa, como os biocombustíveis. O presidente contou que, em conversas com dirigentes de países europeus, tem abordado a possibilidade de estimular a produção de biocombustíveis na África e, assim, contribuir para o desenvolvimento econômico do continente. Na avaliação de Lula, o Brasil tem uma dívida histórica com a África que, como não pode ser paga em dinheiro, deve ser paga em solidariedade.

A viagem à África será encerrada no dia 11 de julho, em Joanesburgo, com a ida de Lula ao jogo final da Copa do Mundo. Lá, Lula receberá do presidente da África do Sul, Jacob Zuma, um bastão tradicionalmente entregue ao mandatário do país que irá sediar a próxima Copa, o que ocorrerá com o Brasil em 2014.

A entrevista do presidente Lula será exibida na TV Brasil Internacional a partir de sábado (3), quando o presidente participa, em Cabo Verde, do primeiro compromisso em território africano. Os países seguintes a serem visitados por ele são: Guiné Equatorial, Quênia, Tanzânia, Zâmbia e África do Sul. Inaugurada em maio, a TV Brasil Internacional transmite programação para 49 dos 53 países da África. (Agência Brasil)

Dunga responde a Cruyff: 'Ele deve ter ingresso de graça da Fifa'

(Treinador brasileiro rebate críticas a seu time e diz que o ídolo do futebol holandês não precisa pagar para assistir à seleção jogar na Copa do Mundo)

Por Márcio Iannacca / Direto de Porto Elizabeth, África do Sul

Dunga aproveitou a entrevista coletiva oficial da Fifa, nesta quinta-feira, em Porto Elizabeth, na África do Sul, para responder a Johann Cruyff. Considerado um dos melhores jogadores de todos os tempos, o líder do Carrossel Holandês que encantou o mundo na Copa de 1974 disse que "não pagaria para ver a seleção brasileira jogar" e que o Brasil comandado por Dunga tinha se transformado em "um time como qualquer outro da Copa".

- Ele (Cruyff) deve ter ingresso de graça. Por isso ele não paga. Ele pode escolher as partidas para ver. Na democracia você escolhe os jogos que quer e vai assistir. Ele deve ter ingressos de graça da Fifa e por isso não vai comprar.

Perguntado se pagaria para ver alguma partida da Holanda nesta Copa do Mundo, Dunga preferiu brincar.

- Eu sou pão duro, vejo pela televisão.

Logo depois, o técnico brasileiro procurou amenizar a polêmica.

- Jogos de Copa do Mundo sempre valem a pena assistir. São um espetáculo. São jogadores de qualidade de todos os países. É algo único que acontece de quatro em quatro anos. Não sei se o mundo para, mas uma boa parte do mundo para para assistir. Eu pagaria sem dúvida. Gostamos de olhar os jogos porque são jogadores muito técnicos.

Cruyff também havia criticado os talentos individuais escolhidos por Dunga para disputar a Copa do Mundo.

- Eu olho para esse time e me lembro de pessoas como Gerson, Tostão, Falcão, Zico ou Sócrates. Agora, só vejo Gilberto (Silva), (Felipe) Melo, (Michel) Bastos, Julio Baptista. Onde está a magia brasileira? - disse o holandês.

O técnico da Holanda, Bert Van Marwijk preferiu não entrar em polêmica com o maior jogador da história de seu país.

- Entendo a crítica feita por Cruyff e penso que o futebol mudou. Sabemos a diferença de um bom futebol para o futebol bonito, mas são coisas que acontecem - afirmou Marwijk. (C/ GloboEsporte.com)

Eike: MMX envia primeira remessa de minério para a China

O presidente do grupo EBX, Eike Batista, revelou nesta quinta-feira (1º), durante o lançamento das obras do Superporto Sudeste, em Itaguaí (RJ), que a MMX, mineradora do grupo, enviou a primeira remessa de minério de ferro para a China. São 150 mil toneladas que fazem parte de contrato firmado com a China.

Segundo a EBX, a remessa enviada corresponde ao total acordado para este ano. "A demanda por minério de ferro continua enorme. A China não parou. E a Índia que era exportadora de minério para a China está virando quase importadora", disse Eike e acrescentou que, em razão da demanda, a MMX continua procurando ativos para crescer.

Com a implantação do porto Sudeste, a MMX passará a escoar por ele a produção. O contrato é de 33 milhões de toneladas, produção que a empresa espera alcançar até 2014. "Hoje, produzimos 7 milhões de toneladas e temos dificuldade de escoar", disse Eike.

O restante da capacidade do porto, que é de 50 milhões de toneladas por ano, deve ser utilizada com a produção de terceiros. "Estamos em contato com todas as empresas do Quadrilátero Ferrífero de Minas todos os dias", afirmou Eike. "Quem tem a mina vai ter que buscar comprador e fechar um contrato take or pay conosco, para usar uma parte da capacidade do porto", explicou. Ele afirmou que além de Minas, o porto pode atender outros Estados. "Isso porque vai entrar carvão eventualmente", explicou. (C/ Portal Exame)

Gilmar Mendes suspende Ficha Limpa para Heráclito, diz Congresso em Foco

O ministro do STF Gilmar Mendes concedeu nesta quinta-feira (1º), último dia antes do recesso do Judiciário, a primeira liminar favorável a um candidato passível de inelegibilidade pela Lei do Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10). O senador Heráclito Fortes (DEM-PI- foto) conseguiu que a corte suspenda decisão do Tribunal de Justiça do estado (TJPI) que condenou o parlamentar, em ação popular, por conduta lesiva ao patrimônio público.

De acordo com o Supremo, a decisão de Gilmar Mendes suspende a condenação imposta ao senador para efeitos da Lei Complementar 135 até que a 2ª Turma do STF conclua o julgamento do recurso extraordinário apresentado pelo senador. Assim, não podem ser impostas a ele as condições de inelegibilidade previstas na nova legislação. Este recurso começou a ser julgado na 2ª Turma do STF em novembro do ano passado, mas a análise foi interrompida por um pedido de vista do ministro Cezar Peluso. O caso tramita no Supremo desde 2000.

Gilmar Mendes afirmou na decisão que a 2ª Turma não teria como concluir o julgamento, já que a última sessão foi na última terça-feira (29). Os ministros do colegiado só voltam a se reunir em agosto, após o recesso forense, que começa amanhã (2). O relator do efeito suspensivo afirmou que a urgência do pedido feito pelo senador do DEM "parece evidente", já que o prazo para registro de candidaturas termina na próxima segunda-feira. "Determino que o presente recurso seja imediatamente processado com efeito suspensivo, ficando sobrestados os efeitos do acórdão recorrido", concluiu.

A Lei da Ficha Limpa proíbe a candidatura de pessoas que possuam condenações por órgãos colegiados. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao responder duas consultas, decidiu que a nova legislação vale para as eleições de outubro e para pessoas com condenações anteriores à sanção presidencial do texto, em 4 de junho. A defesa de Heráclito, então, recorreu ao Supremo pedindo a concessão do efeito suspensivo por conta da proximidade do prazo final para o registro das candidaturas, em 5 de julho. O senador é o primeiro-secretário do Senado. (C/ informações de Mário Coelho-Congresso em Foco)

Belo exemplo: Rio Grande do Sul sanciona lei contra o bullying nas escolas

De acordo com o jornal o Estado de S. Paulo, a Lei Municipal 3.739/2009 sancionada pelo estado do Rio Grande do Sul foi publicada no Diário Oficial na terça-feira (29/6). A lei prevê políticas públicas contra o bullying nas escolas de ensino básico e de educação infantil, privadas ou públicas, em todo o estado.

A política antibullying terá como principal objetivo reduzir a prática de violência dentro e fora das instituições de ensino. Também oferecerá orientação psicológica e apoio técnico para as vítimas e seus familiares. É considerado bullying qualquer prática de violência física ou psicológica, intencional e repetitiva, que ocorra sem motivação evidente. ( C/ informações do Conjur)

O Blog: No Espírito Santo, a Assembléia Legislativa aprovou projeto de autoria do deputado Cesar Colnago (PSDB) sobre o combate ao bullying também nas escolas públicas e privadas. Aguarda-se a sanção da lei pelo governador.

Ex-deputado Gratz ajuíza nova ação no Supremo contra Lei da Ficha Limpa

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, é a relatora da Reclamação (Rcl 10323). Nela, o ex-deputado estadual cassado e ex-presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo José Carlos Gratz reivindica a declaração incidental de inconstitucionalidade da Lei Complementar (LC) 135 – conhecida como Lei da Ficha Limpa. Ele também ataca o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na sua interpretação.

Esse entendimento do TSE, válido já para as eleições de outubro, determina que os candidatos com condenação por colegiado (turma ou plenário dos tribunais) terão o registro de candidatura negado.

Para Gratz, o TSE feriu a força vinculante do julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 144, quando o Supremo estabeleceu que, em respeito ao princípio constitucional da presunção da inocência, somente condenações definitivas podem gerar inelegibilidade de candidatos.

No pedido de liminar, o ex-deputado requer tanto a sustação de todas as consultas que envolvam a lei complementar no TSE quanto a garantia de que ele poderá participar das convenções partidárias e ter aceito o seu registro de candidatura.

Na ação Gratz, opositor do governador Paulo Hartung, conta que responde a mais de duzentas ações civis e penais públicas – segundo ele frutos de uma “campanha de demonização” contra ele e de “santificação de Hartung”. Ele acusa o opositor de subordinar setores-chave do Ministério Público estadual. “Nesse quadro dantesco, em seu real contexto é que devem ser vistas as mais de duas centenas de processos”, ressalta.

O ex-deputado também contesta, na Reclamação, o tratamento da matéria por lei complementar e a ausência de votação, na Câmara, da emenda do Senado que restringiu os efeitos da lei às condenações posteriores à sua publicação. (C/o STF)

Presidente Lula indica dois ministros para o STJ

Os desembargadores Paulo de Tarso Vieira Sanseverino, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul; e Maria Isabel Gallotti Rodrigues, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, são os dois magistrados escolhidos pelo presidente Lula para integrar o Superior Tribunal de Justiça (STJ). A indicação ocorreu há instantes. Os magistrados foram indicados para ocupar, respectivamente, as vagas de ministros abertas com as aposentadorias dos ministros Denise Arruda e Fernando Gonçalves, ocorridas em abril deste ano.

Os magistrados serão submetidos a sabatina pelos membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal. Após aprovados, seus nomes serão submetidos ao Plenário daquela casa legislativa. Somente depois dessas etapas, serão nomeados pelo presidente da República. (Com STJ)

Juiz da 1ª Vara Federal Cível de Vitória é nomeado por Lula desembargador do TRF2

O presidente Lula nomeou, quarta-feira (30), o juiz federal José Ferreira Neves Neto como o mais novo integrante do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2). O ato foi publicado no Diário Oficial da União, Seção 2, edição deste 1o de julho. Titular da 1ª Vara Federal Cível de Vitória, o magistrado foi indicado no dia 27 de maio, por unanimidade, pelo Plenário do Tribunal. Ele vai ocupar a vaga destinada à promoção pelo critério de antiguidade deixada pelo desembargador federal Paulo Freitas Barata, que se aposentou este ano.

Ferreira Neves é pernambucano e ingressou na carreira após ser aprovado, em 1987, no último concurso para juiz federal substituto realizado pelo Tribunal Federal de Recursos (TFR), extinto pela Constituição para dar lugar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e aos cinco TRFs. Em fevereiro de 1988, o magistrado foi empossado como juiz auxiliar da 1ª Vara Federal do Pará. Em outubro, foi removido, a pedido, para a Justiça Federal do Espírito Santo. ( C/ o TRF2)

Tem que ser uma coisa discreta, diz Serra a vice sobre amantes

Ao contar conversa que teve por telefone com o seu vice, deputado Indio da Costa (DEM-RJ), o presidenciável José Serra (PSDB) acabou falando uma frase de efeito e causando um misto de riso e de desconforto na plateia que o acompanhava.

"Ontem, foi apresentado nosso Indio para a vice-presidência, um homem jovem, preparado, com experiência, que vai crescer muito e ter muito responsabilidade (...) Tem uma namorada e, me disse por telefone, 'não tenho amantes'. Eu até disse, também não precisa exagerar. O que tem que ser é uma coisa discreta."

Logo, complementou: "Não estou aqui pregando pular cerca no casamento, mas também não precisa exagerar", contou Serra em sabatina na CNA (Confederação Nacional da Agricultura e da Pecuária).

O tucano disse ainda que é preciso estatizar o Estado brasileiro, em referência às agências reguladoras que, segundo ele, no governo Lula, foram loteadas pelos partidos da base aliada. "Nós temos que estatizar o Estado brasileiro. Nós temos que estatizar as agências reguladoras. Elas foram apropriadas por setores privados, partidos políticos, sindicatos."

Serra voltou a afirmar que, se eleito presidente da República, pretende acumular nos primeiros seis meses de mandato a chefia do Executivo e a presidência da Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste).

"Ela foi extinta por questões de corrupção, foi recriada e continuou como se estivesse extinta, não aconteceu nada. Ela precisa recuperar a idéia de órgão de planejamento", afirmou o candidato tucano. A promessa já havia sido feita no final de maio, durante lançamento da pré-candidatura do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) ao governo de Pernambuco.

Serra ainda criticou o andamento da construção da ferrovia Transnordestina. "Eu apresentei a proposta na campanha de 2002 de fazer acontecer a Transnordestina. Ela começou no oitavo ano deste governo. É capital privado, o governo vai entrar com nove, o capital privado com um. E mesmo assim não caminha, embora agora no ano eleitoral tem essa ilusão de que vai caminhar. E ela é crucial".

A ferrovia é uma das obras previstas no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), uma das vitrines da candidatura da ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff.

O tucano criticou, ainda, o fato de o presidente Lula manter dois ministérios com posições totalmente antagônicas: Agricultura e Desenvolvimento Agrário. Afirmou que Lula deve se divertir com as divergências e discussões que acontecem entre as duas pastas. "Não podemos ter dois ministérios que se contrapõem com políticas diferentes. É uma coisa ineficiente isso. Como executivo, nunca botei gente que pensa ao contrário pra ficar me divertindo", afirmou.

Serra disse que é preciso governar o Brasil com "estrabismo cívico": "um olho no presente e outro no futuro, como Jean Paul Sartre". (C/ Folha on line)

O BLog: Marina Silva, candidata do PV, e Dilma Rousseff, que concorre pelo PT, não compareceram.

TSE proibe destinação de bens apreendidos a órgãos e entidades públicos em ano de eleição

Por votação unânime, os ministros do TSE entenderam não ser possível a destinação de bens apreendidos, em especial aos perecíveis, à órgãos e entidades públicos e privados em ano de realização das eleições. A orientação, à Corte, foi solicitada pelo Ibama.

A decisão foi orientada por regra estabelecida no parágrafo 10, do artigo 73, da Lei 9504/97*, segundo a qual, em ano de eleição, é proibido distribuir gratuitamente bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública, exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior, casos em que o Ministério Público poderá promover o acompanhamento de sua execução financeira e administrativa.

O ministro Marco Aurélio, relator da matéria, considerou ilegítima a possibilidade de o Ibama  “proceder, seja qual for a origem, a doações de bens”, tendo em vista ser integrante da Administração Pública. “O argumento referente à origem e à natureza perecível não é suficiente a excepcionar-se a regra proibitiva, e a exceção foi aberta de forma muito restrita, fora de previsão dela constante”, destacou, ao entender que incide no caso a proibição legal. (C/ o TSE)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Vice do DEM falou apenas uma vez com José Serra

  O deputado democrata de primeiro mandato Indio da Costa (RJ) que acordou nesta quarta-feira candidato a deputado federal e dormiu postulante a vice-presidente na chapa de José Serra (PSDB) nunca conversou por mais de 15 minutos com o candidato.

A única vez que trocou palavras com Serra foi na estreia do Brasil na Copa contra a Coreia do Norte, neste mês, quando os dois falaram das necessidades do Estado do Rio.

Quando o deputado Fernando Gabeira (PV) estava em dúvida se concorria ao governo do Estado do Rio, o ex-prefeito Cesar Maia (DEM) cogitou a indicação de Indio da Costa. O deputado então enviou a Serra um texto de duas páginas com propostas para o Rio e uma apresentação pessoal.

Após a definição de Gabeira pela candidatura ao comando do Estado, Indio da Costa recebeu de um emissário um comentário de Serra de que tinha achado o aliado um jovem de ideias modernas.

Relator do projeto Ficha Limpa na Câmara, atraiu a atenção do presidenciável tucano pelo poder de mobilização à iniciativa. Saltou de 1.200 seguidores no microblog Twitter para mais de 33 mil em poucos dias. (C/ informações da Agência Reuters)

Passageiros podem avaliar serviços de aeroportos a partir de hoje

Desde esta quarta-feira (30), além de avaliar o desempenho das companhias aéreas, os brasileiros também podem dar notas para os aeroportos públicos do país. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) lançou um ranking para que o usuário avalie 16 quesitos em 130 aeroportos públicos, de grande e pequeno porte.

O usuário avaliará itens como o acesso ao aeroporto, estacionamento, lojas de alimentação e conveniência, serviços públicos, atendimento a necessidades especiais, conforto, inspeção, tempo de restituição de bagagens, transporte público e táxis no aeroporto. Nos aeroportos internacionais também é possível dar notas para o controle de passaportes e alfândega.

Para fazer a avaliação dos serviços, é preciso se cadastrar no Espaço do Passageiro, no site da Anac. (www.anac.gov.br/passageiro). Com o mesmo cadastro, também é possível avaliar o desempenho das companhias aéreas. (C/ Agência Brasil)

Pouco depois da vitória de Garotinho, Rosinha e seu vice recorrem ao TSE para suspender cassação

Chegou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na noite desta quarta-feira (30) ação cautelar ajuizada pela prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ), Rosinha Garotinho e por seu vice, Francisco Arthur de Oliveira. Eles pedem a suspensão da decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) que, ao julgar todos os recursos esta semana, confirmou a cassação de seus mandatos.

O ministro Marcelo Ribeiro, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu liminar na noite de terça-feira (29) para suspender a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) que condenou Anthony Garotinho, marido da prefeita Rosinha, por abuso do poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação e o considerou inelegível por três anos. (C/ o TSE)

Ex-namorado da filha de Cacciola, ex-alvo de CPI, relator do Ficha Limpa: o vice confirmado por Serra


Deputado federal de primeiro mandato, o carioca Antônio Pedro de Siqueira Indio da Costa (DEM-RJ), 39, começou a carreira política à sombra do ex-prefeito Cesar Maia, de quem ainda se define como seguidor.

Assumiu o primeiro cargo público em 1994, quando foi nomeado "prefeitinho" do Parque do Flamengo. Cuidava da manutenção de quadras esportivas e jardins de Burle Marx.

Dezesseis anos depois, deve a indicação para vice do presidenciável José Serra (PSDB) ao filho de Cesar: o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ).

Vereador do Rio por três mandatos, Indio teve a única experiência no Executivo como secretário municipal de Administração, entre 2001 e 2006. Foi alvo da CPI da Merenda na Câmara Municipal, que o acusou de favorecer uma empresa na compra de lanche para estudantes. Por ironia, teve o indiciamento pedido por uma tucana: a vereadora Andrea Gouvêa Vieira. Ele negou as acusações.

"Foi um grupo de vereadores que defendeu o cartel. O Ministério Público concluiu que não havia procedência na denúncia, porque a contratação resultou numa economia de 7%. Não houve processo", afirmou o deputado, nesta quarta-feira.

Como deputado, Indio se projetou nacionalmente em 2008, quando foi sub-relator da CPI mista dos Cartões Corporativos. Ganhou notoriedade como autor de algumas das principais denúncias de mau uso de verbas federais. Na época, montou uma equipe formada por auditores para vasculhas a montanha de papel enviada pelo governo para a CPI.

Este ano, voltou ao noticiário como relator na Câmara do projeto Ficha Limpa, de iniciativa popular. Numa entrevista ao Jô Soares, na TV Globo, o deputado chegou a dar o número do seu telefone celular.

Indio tentou se candidatar a prefeito do Rio em 2008, ao fim do terceiro mandato de Cesar Maia. Teve o sonho frustrado pelo próprio mentor, que optou pela também deputada Solange Amaral (DEM). No ano passado, foi citado como possível candidato do partido ao governo do Rio. Mais uma vez, o plano não saiu do papel: Cesar preferiu apoiar Fernando Gabeira (PV), em troca de uma vaga na chapa para o Senado.

Apesar de a polêmica sobre o vice de Serra se arrastar há meses, Indio ainda não havia sequer aparecido na lista de possíveis indicados à vaga. Ele se preparava para disputar a primeira reeleição na Câmara.

Indio tem hábitos saudáveis, é preocupado com alimentação, além de ser vaidoso. Divorciado, tem uma filha de seis anos que mora na Espanha, e é primo de Luís Octavio Indio da Costa, dono do banco Cruzeiro do Sul. Indio é de uma família de arquitetos premiados internacionalmente. Ele conta que namorou por um ano Rafaella Cacciola, filha do ex-banqueiro Salvatore Cacciola.

O banco Cruzeiro do Sul esteve envolvido nas denúncias contra o ex-diretor do Senado João Carlos Zoghbi (Recursos Humanos), que eclodiram no ano passado. Havia um contrato de empréstimo consignado para funcionários do Senado. Com o escândalo, o banco foi descredenciado.

A Folha apurou que Indio da Costa tentou no Senado que o Cruzeiro do Sul fosse novamente credenciado. No entanto, não houve sucesso na tentativa. (C/ Folha on line)

Contra o governo, centrais sindicais apóiam Tião Viana por salário mínimo mais alto

O relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2011, senador Tião Viana (PT-AC), recebeu na tarde desta quarta-feira (30) apoio de sindicalistas para sua proposta de reajustar o salário mínimo, em janeiro próximo, com base na inflação passada mais o crescimento médio da economia em 2009 e 2008 - o que pode levar o salário mínimo a R$ 550, contra os atuais R$ 510.

O governo quer manter a regra pela qual o reajuste levaria em conta a inflação do ano anterior acrescida da variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. Mantida a intenção do governo, não haveria aumento real do salário mínimo em 2011, pois a economia teve queda de 0,2% em 2009.Por essa regra, o mínimo ficaria em cerca de R$ 535 a partir de janeiro.

Compareceram ao encontro representantes de praticamente todas as centrais sindicais, além de sindicatos e associações de aposentados. 

Entre os presentes, o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical, e Edmundo Benedetti Filho, representante do Sindicato Nacional Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da União Geral dos Trabalhadores (UGT). Para o presidente interino da Força Sindical, Miguel Torres, "a hora de lutar é agora", quando o Congresso discute e vota as leis do orçamento, "porque depois das eleições ficará mais difícil".

A regra que o projeto de LDO relatado por Tião Viana muda vigorou por quatro anos. Para chegar ao percentual de reajuste proposto pelo senador do PT, é preciso somar as variações do PIB de 2008 (5,1%) e de 2009 (-0,2%), obtendo-se o percentual de 4,9%. Dividindo 4,9% por dois, chega-se à média de 2,45%, que deva ser somada à inflação de 2010, estimada em cerca de 5%. Aplicando-se 7,45% sobre o valor atual do salário mínimo de R$ 510,00, obtém-se o valor deR$ 547,95. (C/ Agência Senado)

O Blog: Isso é o que se chama piada pronta: aumento de R$ 510 para R$ 550. Quanto ganham esses líderes sindicais e o senador Tião Viana?

Página virada: STF nega pedido de intervenção federal no DF

Por maioria de votos, o Supremo Tribunal Federal (STF) acaba de indeferir o pedido de Intervenção Federal (IF 5179) no Distrito Federal, requerida pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em fevereiro deste ano. O úico voto favorável à intervenção foi do ministro Carlos Ayres Britto (foto).

Para o ministro Cezar Peluso, presidente da Corte e relator do caso, a procedência do pedido estaria condicionada à omissão ou à ineficácia de medida político-jurídica para sanar a situação, devendo tal quadro estar mantido à época do julgamento. “Se tal ordem já foi restabelecida, não importa o modo pelo o qual o tenha sido, a intervenção já não faz senso algum”, ressaltou o relator.

Revelando que depois das denúncias apresentadas medidas corretivas já foram tomadas a fim de controlar a situação no âmbito do Distrito Federal, o ministro disse entender não caber a intervenção federal.

Votaram contra a intervenção, seguindo o voto do relator, os ministros Dias Toffoli, Cármen Lúcia Antunes Rocha, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e o decano da Corte, Celso de Mello.

A ação foi ajuizada em fevereiro deste ano por Gurgel após a crise política instaurada na capital federal a partir da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. A operação investigou denúncias de corrupção, formação de quadrilha, desvio de verbas públicas e fraude em licitações no DF. O escândalo culminou nas renúncias do governador do DF, José Roberto Arruda, e do vice-governador, Paulo Octávio, e no afastamento de integrantes do governo e do Legislativo distrital supostamente ligados ao caso.

Roberto Gurgel defendia a adoção da medida como forma de resgatar a normalidade institucional e a própria credibilidade das instituições e dos administradores públicos no Distrito Federal. ( C/ o STF)

Europa Ocidental tem 140 mil ‘escravas sexuais’ e número de brasileiras cresce, diz relatório da ONU

Cerca de 70 mil mulheres são vítimas de tráfico sexual para a Europa Ocidental anualmente, segundo estima um relatório da UNODC (agência da ONU para Drogas e Crime). Segundo o documento O Tráfico de Pessoas para a Europa para Exploração Sexual, haveria atualmente cerca de 140 mil mulheres obrigadas a trabalhar no mercado do sexo na região.

A ONU avalia que essas 140 mil mulheres traficadas façam ao todo cerca de 50 milhões de programas anuais, a um custo médio de 50 euros por cliente (cerca de R$ 109), movimentando um total de 2,5 bilhões de euros (R$ 5,47 bilhões). O relatório da ONU foi divulgado na Espanha pelo diretor-executivo da UNODC, Antonio Maria Costa, para coincidir com o lançamento da campanha internacional Coração Azul de combate o problema.

O relatório da ONU cita a região dos Bálcãs como a principal origem das mulheres traficadas para a Europa Ocidental (32% do total), seguida dos países do ex-bloco soviético (19%), mas observa também um aumento no número de mulheres brasileiras traficadas (as sul-americanas são 13% do total).

Segundo a organização, a maioria das vítimas brasileiras de tráfico sexual para a Europa são originárias de regiões pobres no norte do país, principalmente nos Estados do Amazonas, do Pará, de Roraima e do Amapá.

O relatório observa ainda que as vítimas sul-americanas (principalmente do Brasil e do Paraguai) são traficadas principalmente para Espanha, Itália, Portugal, França, Holanda, Alemanha, Áustria e Suíça.

Em Portugal, dados do governo local divulgados na semana passada indicam que as brasileiras são 40% das mulheres traficadas no país.

Na Espanha, segundo os dados da ONU, o número de vítimas brasileiras e paraguaias ultrapassou desde 2003 o de vítimas colombianas, antes majoritárias no país.

O total de 140 mil mulheres traficadas na Europa foi estimado pela ONU com base no número de 7.300 vítimas detectadas na Europa Ocidental em 2006. A organização estima que 1 em cada 20 vítimas seriam detectadas, indicando um total de 140 mil. A agência estima ainda que o mercado tem uma renovação em média a cada dois anos, levando ao número de 70 mil novas vítimas a cada ano para substituir as que conseguem deixar a condição. (C/ BBC Brasil)

Em tempo real: quatro ministros do STF negam intervenção no Distrito Federal e votação prossegue


Na sequência do julgamento do pedido de Intervenção Federal (IF 5179) no Distrito Federal, que acontece na tarde desta quarta-feira (30) no Plenário do STF, os ministros Dias Toffoli, Cármen Lúcia Antunes Rocha(foto) e Ricardo Lewandowski acompanharam o voto do presidente da Corte, ministro Cezar Peluso, e também votaram pela improcedência da medida requerida pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O ministro Ayres Britto abriu a divergência, votando favoravelmente à intervenção. Ao acompanhar o presidente da Corte, o ministro Toffoli disse que o voto do presidente foi objetivo e denso ao mesmo tempo, e esgotou o assunto.

Já a ministra Cármen Lúcia frisou que os fatos revelados pelo procurador-geral no pedido de intervenção assombraram a todos os brasileiros, e que poderiam mesmo ensejar a adoção da medida excepcionalíssima da intervenção federal.

Mas, citando o voto do ministro Peluso, a ministra disse também entender que a intervenção parece já não ser adequada. Nesse sentido ela lembrou os fundamentos do voto do presidente sobre as medidas saneadoras tomadas no âmbito do governo do DF, visando coibir as práticas contrárias à Constituição.

A ministra Cármen Lúcia frisou que a intervenção só pode ser adotada em circunstâncias muito fora da normalidade, quando não há outra alternativa. Isso até porque durante a vigência de uma intervenção federal, por exemplo, a Constituição Federal não pode ser emendada, explicou Cármen Lúcia.

O ministro Ricardo Lewandowski também acompanhou o voto do presidente Cezar Peluso. “Depois das ações levadas a efeito pelo combativo procurador-geral da República, a mim me parece que a intervenção não se mostra mais necessária e também, agora, seria desproporcional, porque o próprio sistema já reagiu”, disse. (C/ STF)

Emissoras de rádio e TV têm de obedecer a várias normas eleitorais a partir desta quinta (1°)

Emissoras de rádio e televisão do país devem ficar atentas às proibições impostas pela Lei das Eleições (9.504/97) a partir desta quinta-feira (1°). Entre outras vedações, esses veículos de comunicação não podem dar tratamento privilegiado a candidato em seus noticiários nem na programação normal. Também estão proibidos de divulgar nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção. Quem desrespeitar as regras fica sujeito ao pagamento de multa que varia de R$ 21.282,00 a R$106.410,00 e, em caso de reincidência, a multa pode ser duplicada.

Confira outras proibições:

1) Novelas: As novelas, filmes ou minisséries não podem fazer crítica ou referência a candidatos ou partido político, mesmo que de forma dissimulada.

2) Montagem: As emissoras também estão proibidas de usar trucagem ou montagem de áudio ou vídeo que degradem ou ridicularizem candidato ou partido ou que desvirtue a realidade para beneficiar ou prejudicá-los. Também não podem transmitir programas com esse fim.

3) Apresentadores: Candidato que já tenha sido escolhido em convenção para concorrer às eleições de 3 de outubro não pode apresentar nem comentar programa. As emissoras também não podem divulgar nome de programa que se refira a candidato escolhido em convenção, inclusive se a denominação do programa coincidir com o nome do candidato ou com o que ele indicou para uso na urna eletrônica. Se o programa tiver o mesmo nome do candidato, fica proibida a sua divulgação. O candidato que desobedecer a essa regra pode ter o registro cancelado.

4)Propaganda: As emissoras de rádio e televisão também estão proibidas de veicular propaganda política, inclusive paga, ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato ou partidos.

5) Imprensa escrita: A imprensa escrita pode emitir opinião favorável a candidato. No entanto, a matéria não pode ser paga. Abusos ou excessos serão apurados e punidos nos termos da Lei 64/90, o que pode levar à cassação do registro e à inelegibilidade do beneficiado. (C/ o TSE)